A Casa das Rosas

Por: Angelo Romero - Escritor

4 meses atrás


Texto: A - A A +
Compartilhar:

Quem tem padrinho não morre pagão. Este dito popular transmite uma pura verdade. Não fosse o convite do amigo e ilustre imortal da Academia Brasileira de Letras, Antônio Torres, eu deixaria de conhecer uma notável escritora e não teria ido ao lançamento de “A Casa das Rosas”, seu primeiro romance. 

Com sorriso cativante, digno de quem sabe onde está e porque está, Andréa Zamorano conquistou o público no lançamento de seu livro, ontem, na Casa Claudio de Sousa. Nascida no Rio de Janeiro, a carioca Andréa, estudou língua e literatura portuguesa na Universidade Federal do Rio de Janeiro e, como já vive a algum tempo em Portugal, aprofundou seus conhecimentos literários na Universidade Nova de Lisboa Ou seja, não caiu de pára-quedas na literatura.

 Preparou-se para tal. Se antes trabalhou na área de Comunicação Empresarial em diferentes multinacionais, hoje é proprietária de vários restaurantes em Lisboa, entre os quais o Célebre Café do Rio – Hamburgueria e Gourmet. Ela também assina mensalmente a coluna “A Casa de Andréa” na revista “Blimunda”, da renomada Fundação José Saramago, (notável escritor português) e colabora para a revista Ler.

 “A Casa das Rosas”, seu romance de estréia, foi bem recebido pela crítica, consagrado como o livro do ano pela TimeOut Lisboa. “Este livro da Andréa é um torvelinho, uma força da natureza que não pode parar. Os leitores são arrebatados por uma narrativa escrita numa língua portuguesa própria, em que não existem fronteiras” – Pilar del Rio, tradutora, jornalista e presidenta da Fundação José Saramago. 

“Uma escrita livre, ritmada, sem preconceitos linguísticos, com coexistência das linguagens e referências portuguesas e brasileiras” – Revista Visão. “Um permanente jogo de duplos, onde a dúvida sobre os limites da realidade é sábia e continuamente lançada” – Revista TimeOut Lisboa. Não me arvoro em crítico literário - coisa que não sou - capaz de analisar a obra com inteira profundidade. Porém, como leitor, sou traça de livro, disposto a opinar: - dediquei três horas para ler, de um só fôlego, o romance em questão e o recomendo aos parentes e amigos por ser uma agradável leitura.

 Concluindo, agradeço ao mestre e amigo Antônio Torres o presente e a indicação.

Petrópolis em 2020

Sendo cinéfilo, nada mais natural do que lembrar de um filme que muitos de vocês, caros leitores, já devem ter assistido, nos tempos áureos do cinema. Quando em 1973, Richar...

“Ele não sorri”

Foi o que disse Carlos Augusto Montenegro, presidente do Ibope, sobre as dificuldades que Henrique Meirelles terá como candidato a presidente da República. Ainda que não queira, n...

Na magia do teatro

19 de agosto é o dia consagrado ao Artista de Teatro. Data mágica como mágico é o Teatro.Chego apressado. Me desnudo da roupa do dia a dia, que fica pendurada no cabide do...

Mandatos impunes

Até o momento, ninguém com mandato popular foi punido. Com foro privilegiado, no Supremo Tribunal Federal ou em outras instâncias superiores, continuam lépidos e fagueiros....

Dia da Bíblia

Entre as Igrejas denominadas Evangélicas e Protestantes, o dia da Bíblia é comemorado no segundo domingo de dezembro. Este ano, Igrejas ligadas à Ordem dos Ministros Evang&...

Tranquilo e favorável

Descendo a rua Oscar Weinschenck, encontrei um grupo de adolescentes produzindo um som que mais parecia um gemido: ã!ã!ã!ã!ã!...Aproximei-me de um deles e perguntei:...