Segurança pública fora da caixa

Por: Marcos Espínola - Advogado criminalista

3 semanas atrás


Texto: A - A A +
Compartilhar:

A Câmara dos deputados votou o chamado pacote da segurança pública, contendo seis itens. Independentemente do seu conteúdo, infelizmente devemos reconhecer que não é assim que se faz segurança em lugar nenhum do mundo. O assunto é preciso ser analisado de forma mais abrangente e por especialistas. É preciso despolitizar essa área o quanto antes para que possamos desenvolver políticas sérias e estruturadas, com bases técnicas que possam em médio e longo prazo trazer resultados positivos para a sociedade.

Mais do que um pacote precisamos é do engajamento do poder público no que diz respeito a outras ações sociais que devem caminhar junto, pois se engana quem pensa que segurança se faz somente com política, polícia e justiça. O investimento na base do indivíduo, a educação, a conscientização de cidadania, saúde, moradia devem fazer parte de uma transformação que a nossa sociedade necessita o quanto antes.

O que adianta, na prática, deputados aprovarem projetos como o que acaba com o atenuante automático de pena para menores de 21 anos? Se a questão é enrijecer o trato com os menores, o melhor deveria começar esse movimento, oferecendo escola de qualidade e condições de uma formação educacional correta, evitando o ingresso dos jovens na marginalidade. Atuar na prevenção e não na correção.

Qual a efetividade de obrigar as operadoras a instalarem bloqueadores de sinal de celular nos presídios? Em verdade, o impacto de uma medida como essa será irrisório. Na prática, a fiscalização na entrada de equipamentos nessas unidades é que deveria funcionar. A ressocialização dos detentos deveria, efetivamente, acontecer, preparando o infrator para o reingresso à sociedade. Mas isso não acontece no nosso falido sistema penitenciário.

Esses dois dos projetos que compõem o chamado pacote não passam de movimentos populistas, ou seja, mais pirotecnia para aparecer publicamente, sem muita consistência para soluções concretas e emergenciais que carecemos.

Claro que se faz necessário revisar e atualizar leis, mas essa abordagem deve ser mais ampla. Rever o código penal detalhadamente, promover a reforma do judiciário, revisar o estatuto da criança e do adolescente, remodelar o sistema penitenciário são algumas medidas, mas o primordial é pensar em segurança pública fora da caixa ou do pacote, tratando-a de forma séria, técnica e profissional.

O útil e o fútil do mundo digital

A decantada Biblioteca de Alexandria reinou absoluta como centro da cultura mundial no período do século 3.º a.C. ao século 4.º d.C. Edificada no delta do Rio Nilo, conj...

Todos sob pressão

A violência diária faz muitas vítimas: umas feridas por armamentos, outras sufocadas pelo medo, nas ruas e em casa. As causas da escalada brutal nos números de assaltos e ti...

Feliz aniversário, Petrópolis

É bela qual jovem aos 15 anos e, no entanto, 173 anos a contemplem. Exala o hálito puro da serra e, insinuante, deixa-se despir pelos raios do sol, revelando-se a cada momento mais encan...

A Padroeira do Brasil!

Em 2017 o mundo viverá dois belos momentos: 300 anos de Nossa Senhora da Conceição aparecida nas águas do Brasil no Rio Paraíba do Sul em 1717 (e os 100 anos das apa...

Reflitamos

Sem pieguice, ao despertar, cumpro a missão de exercitar a gratidão diária a Deus por haver me permitido uma noite reparadora e um amanhecer, por isso rezo. Os anos a nós p...

Sonhar, viver e amar

É possível! Nos dias atuais com todos os seus detalhes, quotidianamente sonhamos em determinado momento podermos desfrutar de situações que nos levem a um relaxamento compl...