Hepatites Virais quando diagnosticadas precocemente tem 100% de chance de cura

Por: Luana Motta

4 meses atrás


Texto: A - A A +
Compartilhar:
imagem noticias
Foto: Tribuna de Petrópolis | Tribuna de Petrópolis

O Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, lembrado ontem (28), chamou a atenção, na cidade, para a necessidade de ações de conscientização da população: a hepatite C, que, se diagnosticada precocemente tem 100% de chance de cura, causou três mortes entre 2016 e 2017. No período foram registrados 98 casos da doença e, destas 44 evoluíram para a cura e outras 39 aguardam a avaliação dos exames que confirmam a cura. Há ainda 11 pessoas em tratamento e apenas uma pessoa teve evolução para caso crônico incurável. 

No caso da hepatite B, atualmente há 22 pessoas em tratamento no município. Apesar de a doença não ter cura, há medicação que pode garantir mais qualidade de vida aos pacientes.Foram registrados dois óbitos no período, devido ao agravo da doença. Neste ano houve um caso de uma gestante diagnosticada com hepatite B, durante o pré-natal, o que proporcionou um tratamento adequado para mãe e filho e evitou a transmissão vertical da doença.

O município disponibiliza a vacina contra o vírus da hepatite B em 14 unidades de saúde, com rotina de vacinação diariamente de 8h às 16h.

A importância do diagnóstico precoce

A hepatite é uma doença silenciosa que pode gerar complicações graves se não for diagnosticada. O exame que pode diagnosticar a doença, é rápido e feito em uma pequena amostra de sangue. A pessoa não precisa fazer nenhum tipo de preparação prévia, como jejum, por exemplo. 

“Sem diagnóstico, a pessoa é pega de surpresa com complicações hepáticas graves que evoluem lentamente sem serem percebidas. Por isso, independente da presença ou ausência de sintomas, é necessária a realização dos testes, principalmente das hepatites B e C, que podem se tornar crônicas e evoluir para cirrose hepática, câncer de fígado e até a morte da pessoa infectada”, explica Maria Inês Ferreira, enfermeira responsável pelo Programa de Infecções Sexualmente Transmissíveis da Secretaria de Saúde de Petrópolis e professora da Faculdade de Medicina da cidade (FMP/Fase).

Segundo a especialista, os sintomas mais comuns da doença são cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras:

“A transmissão da hepatite A se dá pelo contágio fecal-oral, que acontece frequentemente em condições precárias de saneamento básico, da água, de higiene pessoal e dos alimentos. A hepatite B é transmitida através de relações sexuais desprotegidas, pelo contato com sêmen e secreções vaginais; do contato com sangue contaminado, no compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam; e da mãe para o filho durante a gravidez e parto. A hepatite C é de transmissão essencialmente sanguínea, sendo por via sexual apenas quando há sangue na relação. Ela também é comum entre pessoas usuárias de drogas que compartilham seringas, agulhas e canudos, e nas que receberam transfusão de sangue até o final da década de 1980, quando o controle nos bancos de sangue não era tão rigoroso.”

A vacina é a única forma de se proteger contra a hepatite B. Após o nascimento é realizada a pentavalente que contempla a imunização contra hepatite B com reforço nas doses aos dois, quatro e seis meses de vida. Os adolescentes, adultos ou idosos que não receberam as doses na infância podem receber a vacina contra hepatite B que deverão ser aplicadas em três doses. 

O Sistema Único de Saúde – SUS, oferece tratamento gratuito para as hepatites B e C. Sendo eficaz no controle da infecção pelo vírus B e na cura da infecção pelo vírus C. E a vacina pode ser encontrada em 14 postos de saúde da cidade. 

Lista dos postos de Saúde e demais locais de vacinação:

 *Atendimento de 8h às 16h – Com intervalo de 1 hora de almoço 

Instituto da Mulher (antigo Centro de Saúde)

Rua Santos Dumont, S/Nº 

PSF Alto da Serra

Rua Teresa, 2.024 (Praça Miguel Couto) 

PSF São Sebastião

Rua São Sebastião nº 625 

UBS Alto Independência

Rua Ângelo João Brand s/n 

UBS Quitandinha

Rua General Rondon nº 400 

UBS Retiro

Av. Barão do Rio Branco s/n  

Ambulatório Escola

Rua Bernardo Proença nº 32 

UBS Itamarati

Rua HívioNaliato nº 169  

Hospital Alcides Carneiro

Rua Vigário Corrêa, 1.345 

UBS Morin 

Rua Pedro Ivo, n.º 81 – Morin

UBS Itaipava

Estrada Philúvio Cerqueira Rodrigues s/n 

UBS Pedro do Rio

Estrada União e Indústria s/n 

PSF Posse

Estrada União de Indústria nº 33.530 

Coordenação Epidemiologia

Hospital Municipal Nelson de Sá Earp - Rua Paulino Afonso, 455.