Justiça diz que Faculdade de Medicina deve pagar por uso do Alcides Carneiro

4 meses atrás


Texto: A - A A +
Compartilhar:

A Fundação Octacílio Gualberto (FOG), mantenedora da Faculdade Medicina de Petrópolis (FMP), foi condenada a ressarcir o Município pelo uso do Hospital Alcides Carneiro (HAC) pelos seus alunos. Além disto, o juiz da 2ª Vara Federal, Fabio Nobre Bueno Brandão condenou a Prefeitura e o Serviço Social Autônomo Hospital Alcides Carneiro (Sehac) a estabelecerem as normas de contrapartida da FOG/FMP para uso do Hospital e determinando que o Conselho Municipal de Saúde indique em 60 dias três pessoas para compor os conselhos Deliberativo e Fiscal do Sehac, substituindo os que eram indicados pela FMP. 

A Secretaria de Saúde informou que intimada na tarde de ontem sobre a sentença, que será encaminhada para análise da Procuradoria Geral do Município. A administração do SEHAC ainda não foi intimada e por isso, vai se manifestar somente após ser intimada e tomar ciência da decisão. O presidente do Conselho Municipal de Saúde, Rogerio Lima informou que o assunto será colocado na pauta do conselho, na próxima reunião dia 29 de agosto.

A Assessoria de Comunicação da Faculdade de Medicina de Petrópolis informou que a Fundação Octacílio Gualberto ainda não foi notificada da decisão, desconhecendo, portanto, o teor da sentença. A FOG acrescenta que sempre realizou investimentos expressivos no Hospital de Ensino Alcides Carneiro e que pretende manter essa política de qualificação do hospital, em benefício do município de Petrópolis. A instituição acrescenta ainda que, sendo a decisão de primeira instância, exercerá seu direito de recorrer, se cabível. 

Ao condenar o Município e o Sehac a editarem normas estabelecendo formalmente contrapartida de natureza econômica a ser prestada pela Fundação Octacílio Gualberto ou qualquer outro ente privado em idêntica situação, em razão do uso do Hospital Alcides Carneiro. O juiz argumenta que estas normas devem ser estabelecidas até porque outras instituições de ensino que queiram utilizar o Hospital para seus alunos, também devem dar a sua contrapartida. 

No entanto, na decisão, o juiz deixa clara que esta contrapartida não é necessariamente em espécie (dinheiro) podendo ser efetivada de outras formas, como segundo ele, ocorreu nos últimos anos, com investimentos realizados pela Fundação Octacílio Gualberto e pela Faculdade Medicina de Petrópolis. Sobre este ponto, o juiz lembra que a FOG/FMP em sua contestação apresentou diversos documentos comprovando os investimentos realizados, como fornecimento de equipamentos diversos e obras de reforma e ampliação do hospital totalizando cerca de R$ 4 milhões. 

Ele afirma que estes investimentos representam “importante indicativo do reconhecimento pela própria instituição, do dever de oferecer uma contraprestação pelo uso do hospital sem seus cursos”. Mesmo com este reconhecimento, o juiz condenou o ressarcimento em função de que não houve nenhuma normatização sobre estes valores e por isso definiu pelo ressarcimento a partir de 2010 e não 2006 como proposta pelos autores da ação.


FMP fora dos conselhos do Sehac

O juiz invalidou dois incisos da Lei Municipal número 6.483/2007, que reservava duas vagas no conselho deliberativo e uma no fiscal para a Faculdade Medicina de Petrópolis. O juiz também invalidou a diretoria de ensino do Sehac que era preenchida pela FMP. De acordo com o juiz, esta decisão foi tomada por considera de forma irregular que por meio de lei seja garantida vaga, com exclusividade, a Faculdade de Medicina nos conselhos administram e fiscalizam o Sehac. 

Na sua concepção, o Hospital Alcides Carneiro deve estar aberto a participação de todas as instituições de ensino que queriam firmar parcerias com o Sehac para uso do hospital. Com a saída da FMP dos dois conselhos, o juiz determinou que o Conselho Municipal de Saúde indique no prazo de 60 dias três representantes para os conselhos deliberativo e fiscal.

Na decisão o juiz declara nula o item 4.2 da cláusula segunda do contrato de gestão número 22/2008, que autoriza o Sehac a tomar medidas administrativas sobre os servidores municipais, estaduais e federais que atuam no Hospital Alcides Carneiro. O juiz explica que, apenas de ser uma instituição criada para dar apoio ao Município na administração do HAC, por ter caráter privado, o Sehac não pode administrar servidores públicos e por isso condenou o Município e o Sehac a editar o plano de empregos e salários, conforme previsto na Lei Municipal 6.483/2007. 



Prazo para pagamento do IPTU com desconto termina...

Os contribuintes que ainda não quitaram o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) têm a última oportunidade: o prazo para pagamento do IPTU com 7% de desconto, em cota úni...

PRF flagra jovens com cocaína que seria vendida em...

Mais de 700 pinos de cocaína foram apreendidos e dois jovens foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), por tráfico de entorpecentes, na Rodovia Washington Luiz (B...

Polícia apreende adolescente suspeito de furtar mo...

Na madrugada da última quinta-feira, por volta das 3h30, a polícia militar apreendeu um menor de 17 anos, durante um patrulhamento de rotina, na Rua General Osório. De acordo com...

Servidor público revela ter sofrido torturas psico...

“Eu tinha 18 anos, estava no trabalho - já era servidor público - quando recebi uma ligação do presidente da Câmara de Vereadores de Petrópolis, na &eacu...

Ônibus orienta mulheres contra violência doméstica

Dados do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram) apontam que no ano passado 579 mulheres realizaram o primeiro atendimento no município. Já em 2016, de janeiro a...

Policial Civil é preso depois de disparar arma em...

Um policial civil, de 41 anos, foi preso e autuado por desacato e abuso de autoridade, após ameaçar populares em um bar na Rua Sete de Abril, no Centro, por volta das 20h30 do últ...