Lula preso e governando?

Por: Adilson Roberto Gonçalves - Pesquisador da Unesp

2 meses atrás


Texto: A - A A +
Compartilhar:

O Instituto Datafolha publicou pesquisa de intenção de voto para presidente da República, a primeira após a condenação em primeira instância de Lula, mostrando que ele lidera em todos os cenários. Expressei em carta que os números mostram a força do ex-presidente, apesar de não ser possível uma avaliação mais detalhada por região, faixa etária e de renda. Impedido de concorrer, seus votos, hoje, vão majoritariamente para brancos e nulos, e não para outro candidato, mesmo dentro do PT. Sua rejeição vem em queda, ao contrário da dos concorrentes diretos. Essa pesquisa pode não funcionar como previsão eleitoral, mas é um excelente termômetro social do momento.

No dia seguinte, foi divulgado um resultado complementar, mostrando que 54% dos entrevistados responderam sim quando perguntados se o ex-presidente deveria ser preso, contrapondo-se com os 40% dos que responderam não.

Além da especulação sobre o propósito de serem divulgados dois resultados aparentemente conflitantes em momentos distintos e com ênfases que caracterizam posições políticas institucionais, houve muita ironia em comentários de redes sociais e sites de notícia. A contestação foi que os resultados do Datafolha mostram uma maioria que pretende eleger Lula presidente ao mesmo tempo em que quer vê-lo atrás das grades. Porém, não se trata do mesmo voto ou do mesmo eleitor. Nas simulações de segundo turno, a soma das intenções e preferências indica que cerca de 20% dos eleitores não vota em nenhum candidato ou não sabe ainda em quem votar. Quando a pergunta foi sobre se Lula deve ou não ser preso, a porcentagem dos sem opinião é de apenas 5%, o que justifica a aparente contradição. Cerca de 15% dos eleitores não possuem candidato, mas têm convicção da culpa de Lula. Os números fecham, é claro, dentro da margem de erro, mostrando que há menos indecisos quanto ao processo judicial do que em relação ao processo político-eleitoral.

Assumindo que não houve direcionamento na pesquisa feita e a seriedade com que um instituto como o Datafolha segue seus protocolos e amostragem, esse é um dado muito expressivo. Seriam mais de 20 milhões de pessoas, considerando a base de cerca de 145 milhões de eleitores atuais, que apostam na Justiça e não na política, como se uma fosse independente da outra. À medida que os números absolutos ficam menores, cresce sua incerteza face aos “dois pontos porcentuais de erro, para cima ou para baixo” da pesquisa realizada. Não há – pelo menos no que foi divulgado e publicado – informações sobre a distribuição desses 15%, mas é de se supor que correspondam a uma faixa muito incomodada com a política como um todo, tipicamente de status social maior, tanto em relação a escolaridade e renda, quanto à posição geo-socioetnográfica que ocupa, termo este concebido como o lugar onde habita e de onde vê a sociedade, combinado com o enfrentamento de obstáculos para chegar onde está.

Por outro lado, a pesquisa apenas reafirma a dicotomia que vem se consolidando no país desde as eleições de 2014, com pequenas flutuações de lado a lado. Com a aproximação do pleito real, a evolução da economia e as consequências de julgamentos o quadro todo pode mudar. 

Divulgação ilegal de dados pelo Serasa

Atualmente, temos nos deparado com a divulgação, pelo Serasa, de informações acerca do perfil financeiro de empresa, relativo a valores referentes aos seus ativos, consiste...

Uerj resiste

Nos últimos meses a população brasileira acompanhou a escalada da dívida da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, apontada pelo governo como mais uma vítima da c...

Novos dias

Foi-se o ano de dois mil e dezesseis deixando para trás alegrias, tristezas e decepções.Na verdade, o ano que se encerra não foi dos melhores para o país, consequent...

A saída é intervenção federal

Lamentavelmente sou obrigado a abordar um tema recorrente e desagradável, porém necessário: a violência. Estatística recente da Polícia Militar do Rio revelou...

Duas notícias estarrecedoras

Jornal do Rio estampa na primeira página, dia 5.6.17, duas notícias estarrecedoras: “Rio ganha hoje novo plano de segurança” – uma fantasia paliativa, quando os...

A casa que revi

Nasci nesta privilegiada cidade e fui criado à rua Saldanha Marinho; a casa adquirida por minha mãe, herança a que fez jus e que possibilitou a compra, em razão do falecime...