Pai Nosso II - primeira prece

Por: P. ELTON POTHIN

Sexta Feira, 08 de Setembro de 2017


Texto: A - A A +
Compartilhar:

Santificado seja o Teu nome. Essa formulação é um tanto obscura, pois em nossa língua materna diríamos assim: Pai do céu, ajuda que somente Teu nome seja santo. Mas o que quer dizer isto, que Seu nome venha a ser santo? Ele não é santo de qualquer maneira? A resposta é a seguinte: claro que por Sua natureza, Ele sempre é santo, só que na forma como usamos, Ele não é santo.

Aí é que está a grande dificuldade: precisamos cuidar muito que Seu nome seja dignificado, seja mantido santo e puro como nosso maior tesouro e o mais sagrado que temos. Como filhos devotos, precisamos rogar que Seu nome, que de resto é santo no céu, também seja e permaneça santo entre nós na terra.

Então, como Ele é santificado entre nós? A resposta mais clara que se pode dar é a seguinte: ensinando e vivendo de modo divino e cristão. Como nesta oração chamamos Deus de NOSSO PAI, temos a obrigação de sempre apresentar uma postura de filhos devotos e retos, para que não Lhe demos vexame, mas honra e glória. Acontece que nós O profanamos com palavras ou com atos.

Primeiro exemplo: quando se prega e se ensina ou diz coisas erradas em nome de Deus, que levam para o mau caminho, usando Seu nome para legitimar a mentira e vendê-la bem. Essa é a maior infâmia e desonra para o nome divino.

Além disso, (seu nome é comprometido) também com conduta pública perniciosa, quando as pessoas consideradas cristãs, povo de Deus, são adúlteras, alcoólatras, sovinas barrigudos, invejosos e fofoqueiros.

Assim como um pai passa vergonha e sofre desonra por causa de um filho mal encaminhado e perverso, que lhe desobedece em palavras e ações, também a dignidade de Deus é comprometida à medida que nós ensinamos, falamos e vivemos de modo diferente de filhos devotos do céu. 

Isso mostra que nesta prece pedimos justamente por aquilo que Deus exige no segundo mandamento, isto é, que não se abuse do Seu nome com juras, maldições, mentiras, fraudes, etc, mas se faça bom uso do Seu nome, para se dignificar e honrar a Deus. 

Honrar a Deus. Esta prece é de fácil entendimento, contanto que se entenda que “santificar” é aquilo que chamamos de “louvar, exaltar e respeitar” em palavras e ações.

Repare com esta oração é necessária. Vemos que o mundo está cheio de seitas e falsos mestres. Todos recorrem ao santo nome para legitimar sua doutrina do diabo. Por isso precisamos clamar incessantemente, protestando contra todos que pregam e acreditam na falsidade, que combatem, perseguem e procuram coibir nosso Evangelho e doutrina pura, como bispos, tiranos, entusiastas e outros. A mesma coisa vale para nós mesmos, que temos a Palavra de Deus, mas não somos gratos por Ela nem vivemos de acordo, como deveríamos. (Fonte: Catecismo Maior, p. 93-95) Conheça a Igreja Evangélica de Confissão Luterana em Petrópolis. Avenida Ipiranga, 346. Cultos todos os domingos às 09:00h. Tel. 24.2242-1703.

A mestra Lauricy

Foi com imensa satisfação que mantive, no último dia vinte, contato telefônico com o dileto amigo Humberto Correia dos Sant...

Gran Circo Brasilis

Respeitááável público! O Gran Circo Brasilis tem o faustoso orgulho de apresentar o seu mais novo espetáculo! In&ua...

Tribuna: cultura, história e informação

A Tribuna de Petrópolis é um dos mais antigos jornais do País. Completou no dia nove de outubro 115 anos de fundaçã...

Kennedy e a Piabanha

Já escrevi, não recordo quando, sobre a falta de zelo pela correta informação acerca do quadro urbano no qual vivemos. Mui...

O (desa)foro privilegiado

A frase “Que você viva em tempos interessantes!” é conhecida na China como uma maldição pelas turbulência...

O custo/benefício da Câmara

Os requerimentos são a arma mais eficiente ao dispor dos que ainda acreditam na participação em Petrópolis, por mais coopt...