Ubi bene, ibi patria

Por: João Roberto Gullino - Honorário da APL

4 meses atrás


Texto: A - A A +
Compartilhar:

Victor Hugo definiu o amor tendo a mulher como símbolo quando disse – “Ama-se uma mulher não porque ela seja bonita ou feia, gorda ou magra, alta ou baixa – ama-se, porque se ama” . E podemos espelhar tal sentimento, de qualquer modo, em qualquer circunstância. Assim é o meu amor por esta cidade que, como já comentei em outras crônicas, a conheci e me apaixonei, precocemente, aos seis anos de idade. Talvez raras pessoas dediquem tal sentimento tão puro à ela, tão maltratada pelas diversas administrações públicas, pela sanha e ganância das construtoras que tudo destroem e pelos habitantes que, indiferentes, nada reclamam e tudo aceitam, como é normal a todo brasileiro que, de um modo geral, é desprovido de zelo e de memória – nada se preserva em detrimento da cultura.

O poeta Geraldo Ventura, velho amigo de meu cunhado Sá Fortes, do BB, foi extremamente feliz ao passar seus sentimentos para o hino que se consagrou, oficialmente, como da cidade. E, dentre tantas preciosidades que tentam desvalorizar, existem tradições como as pitorescas vitórias e alguns recantos, além dos tradicionais, que vão surgindo sem grandes alaridos mas que todos deveriam conhecer, como a “Pousada 14 Bis”, na rua Buenos Aires, onde se montou, com todo carinho, um belo e significativo acervo, reproduzindo todas as criações de dirigíveis projetados pelo brilhante pai da aviação. Lá, entre as diversas maquetes, há reprodução de uma carta de Santos-Dumont e que, oportunamente, doarei mais cinco cópias de cartas particulares para ampliar o acervo, numa colaboração para quem honra a cidade com tal iniciativa.

Assim, já que não posso salvar nosso país nem nossa cidade, me disponho, ao menos, lutar para que não feneça uma grande entidade que deveria ser orgulho local, mas que não é, já que poucos a valorizam – a primeira e única no país, dedicada exclusivamente à cultura poética – nossa Academia Brasileira de Poesia, “Casa de Raul de Leoni” – honra petropolitana, que nasceu em 1983 como “Academia Petropolitana de Poesia Raul de Leoni”, respeitando o princópio cosmopolista citado acima que diz, numa tradução livre – “onde se vive bem, aí é a pátria”. Por isto, nos seus 15 anos, fiz minha “Declaração” em soneto:

“Temos orgulho de nosso patrono/ que tanto nos acolhe em sua casa,/ se a poesia seu culto transvaza/ mesmo que alguns o deixem no abandono.

Temos toda humildade de um colono,/ que desnudou a terra a ferro em brasa/ sob o tormento de uma chuva rasa, / protegendo a cidade com seu trono.

Temos na poesia todo o brio / de uma palavra firme e não vazia/ na verdade de um sonho assim tardio.

Temos uma vaidosa teimosia,/ que é moldada da Argila, no feitio/ do “charme” dessa nossa Academia”.

jrobetogullino@gmail.com


Missão que precisa ser profissão

Comum dizer-se do ofício de educador que é “missão”. Aos olhos crus do leigo, missão sempre parece algo que se faz por recompensas imateriais, movido por chamad...

As dores do bullying

O contato com as escolas do sistema de ensino do Rio de Janeiro ensejou à equipe do projeto Edupark a conclusão objetiva de que há muito interesse pelas questões concercent...

Zugzwang

Os leitores que jogam xadrez, já devem conhecer a posição Zugzwang. Se refere a uma situação onde um jogador é obrigado a fazer a jogada quando o melhor seria...

Sim, há saídas

Penso que o maior problema de Petrópolis, neste momento, é o desemprego. Dirão os senhores que no Brasil há 12 milhões e meio de desempregados; por que Petróp...

Sem medo de morrer!

Quando recebi das mãos do Frei Antônio Moser os originais para a leitura e exarar meu parecer sobre a obra de sua lavra intitulada “Colhendo flores entre espinhos” me senti al...

Trova, o adorno da poesia

Petrópolis já abrigou tantos poetas e ainda abriga, mas que vão se obscurecendo pelo descaso das pessoas que não mais se interessam pelo segmento autêntico, se ningu&...